banner

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Não houve taça em Ervidel

Não houve taça, nem surpresa na 1ª Eliminatória da Taça Distrito de Beja, pelo menos no Campo da Baiôa, onde o Alvorada de Ervidel foi eliminado pelo Futebol Clube de Serpa, ao perder por três bolas a uma.

Mas a equipa de Ervidel vendeu bem cara a derrota, sobretudo na primeira parte, onde discutiu o jogo e o resultado.
Começou melhor o Alvorada, a jogar no meio campo contrário com ataques rápidos que colocaram em sobressalto a defesa contrária e aos dez minutos de jogo já havia rematado três vezes à baliza e conquistado dois pontapés de canto.
Mas a experiência do Serpa fez-se notar ao minuto 17 quando desceu pela primeira vez à área do Alvorada e logo para inaugurar o marcador, na sequência de um livre da direita, com a bola a ser colocada à entrada da pequena área do Alvorada, onde surgiu Nuno Delgado que mais rápido que o guarda redes Vitorino o bateu pela primeira vez.

A equipa da casa não se deixou abater pelo golo sofrido e continuou a carregar sobre o FC Serpa e passados apenas seis minutos havia de igualar novamente o marcador, ao aproveitar da melhor maneira a apatia da defesa visitante que não conseguiu aliviar a bola da sua área, devido à enorme pressão exercida pelos jogadores do Alvorada, com esta  a sobrar para Luís Ferro, que com um "pontapé à meia volta" bateu o guarda redes adversário.
A formação de Ervidel, apesar do tento do empate, não se deu por contente e continuou à procura do golo que lhe desse vantagem no marcador e à passagem do minuto 31 é a vez de Márcio Cortes rematar já dentro da àrea para boa defesa do guardião contrário.

Chegava o intervalo com uma igualdade no placard, resultado que não espelhava aquilo que tinha acontecido no terreno de jogo, pois o Alvorada foi sempre superior ao seu opositor, que apenas no lance do golo desceu com perigo ao nosso último reduto.

No reatamento o Técnico José Mestre não arriscou e deixou no balneário o capitão Chico Fragoso, que tinha visto um cartão amarelo ao minuto 38 (a prioridade é o campeonato), aliado ao facto do Serpa ter puxado pelos galões, transfigurou por completo o desenrolar dos acontecimentos, com a equipa da margem esquerda a não dar qualquer hipótese ao Alvorada que nunca mais conseguiu assentar o seu jogo e a sofrer uma enorme pressão sobre a sua defesa e foi sem surpresa que aos 57 minutos, novamente Nuno Delgado, após cruzamento da direita, nas costas dos dois centrais do Alvorada cabeceou para o segundo golo da sua equipa, sem a minima hipótese para Vitorino Cavaco.

A turma de Ervidel ao não conseguir reagir à desvantagem ainda deu mais força ao adversário, que andava mais perto do terceiro golo, como foi o caso aos minutos 61 e 62 com duas bolas nos ferros da baliza do Alvorada, estava dado o mote para o que se adivinhava e não se estranhou que aos 63 minutos um atacante surgisse isolado perante Vitorino Cavaco, que numa primeira instância defende a bola com o peito, mas esta caprichosamente ressalta para os pés do avançado que sem dificuldade a introduz da baliza deserta, estava feito o resultado final.

Até ao último apito do árbitro há apenas a realçar uma boa defesa do guardião do Alvorada aos 81 minutos a negar o quarto golo à equipa visitante.

Resultado justo, embora a diferença de apenas um golo fosse mais justificado, por aquilo que o Alvorada produziu na primeira parte e o Serpa na segunda.

Bem sei que no futebol não há "se", mas... que teria acontecido se o capitão Chico não tivesse sido advertido ao minuto 38 ??

Ficha do jogo:

Estádio: Campo da Baiôa, em Ervidel
Tempo: Nublado, com temperatura amena.
Terreno de jogo: Terra batida, em boas condições.

Árbitro: Luís Ralha
Assistentes: Marisa Sousa e Filipe Aurélio

Alvorada: Vitorino Cavaco, Miguel Catarino, Luís Vieira, Diogo Ramos, Rui Filipe, Hugo Revez, Chico Fragoso (C) (Mauro Gonçalves 45"), Márcio Cortes, Jorge Soares (João Paulo 76"), Luís Ferro (Flávio Ramalho 74") e Alex.

Suplentes não utilizados: João Páscoa, Bruno Rasgadinho e Paulo Chaveiro.

Treinador: José Mestre

Cartões Amarelos: Chico Fragoso (38"), Luís Ferro (70") e Flávio Ramalho (83").

Cartões Vermelhos: Não houve.

Golos: Luís Ferro (23").

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Luís Ralha apita Alvorada na Taça

Luís Ralha, árbitro de Beja, foi o nomeado pelo Conselho de Arbitragem, para apitar o encontro entre o Alvorada Futebol Clube de Ervidel e o Futebol Clube de Serpa a contar para a 1ª Eliminatória da Taça Distrito de Beja, onde irá ser auxiliado pelos árbitros assistentes Filipe Aurélio e Marisa Sousa.

Ralha é um árbitro com muita experiência, pois passou muitos anos nos Campeonatos Nacionais, onde acompanhou árbitros como Manuel Costa, Marco Trombinhas e Luís Lameira, no entanto caiu de novo nos distritais e nunca o conseguiu digerir. Aliou-se a Filipe Aurélio, na busca do regresso ao Nacional, mas os dois últimos anos foram maus demais, devido à sua personalidade (ferve em pouca água), apesar de ter muito talento.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

À cinco anos foi quase... e agora??

Estavamos em Fevereiro de 2005, quando o Alvorada de Ervidel se deslocou a Serpa, para defrontar a equipa local, ainda no pelado do Campo 25 de Abril, em jogo a contar para os quartos de final da Taça Distrito de Beja, onde viria ser eliminado ao perder po 1-0.

Depois de um grande jogo da nossa parte, esta foi a crónica publicada no «Diário do Alentejo» que a seguir se reproduz na integra.

«FC Serpa mais eficaz elimina afoito Alvorada (1-0)
Ousadia não foi premiada

Um pénalti convertido por Vargas logo ao minuto 12 garantiu a passagem do FC Serpa às meias-finais da Taça do Distrito de Beja, deixando pelo caminho um abnegado Alvorada de Ervidel.
O histórico FC Serpa garantiu a presença nas meias-finais da Taça do Distrito de Beja ao vencer o Alvorada, mas os de Ervidel estiveram bem próximos de conseguir nova proeza na prova, depois de na segunda eliminatória anterior terem conseguido afastar o ainda detentor do troféu, o Sp. Cuba.

Desta feita a surpresa não se verificou, mas o que é certo é que os jogadores do secundário Alvorada venderam bem cara a derrota e tudo fizeram, sobretudo no segundo tempo, para que a partida não se resolvesse logo no final dos 90 minutos regulamentares. Abnegados, lutadores e muito atrevidos, os pupilos de Zacarias Baião surgiram no Municipal 25 de Abril de Serpa imbuídos daquele que é o verdadeiro espírito da Taça, onde os pequenos fazem das fraquezas forças diante de conjuntos reconhecidamente mais valiosos, e por isso mesmo mereciam, no mínimo, o prolongamento.
Ainda assim, os de Ervidel entraram em campo algo nervosos na troca de bola e permitiram nesse período que João Piroleira e João Pedro assumissem o controlo no miolo do terreno em favor dos serpenses, o que permitiu uma ténue supremacia do FC Serpa no desenrolar do jogo.
O golo obtido por Vargas no primeiro quarto-de-hora de jogo – pénalti indiscutível cometido por João Paulo sobre o próprio Vargas – acentuou um pouco mais esse facto e até ao intervalo as mais soberanas ocasiões de perigo pertenceram sempre aos serpenses – Nuno Pires atirou ao poste (24), Vargas à figura de Reis (33). Do outro lado, e apesar da vontade, notavam-se dificuldades em chegar ao último terço do terreno e, quando tal sucedia, era nítida a ausência de clarividência no derradeiro passe.

Tudo se modificou após o intervalo. O Alvorada surgiu em campo transfigurado, mais desenvolto e atrevido, e foi nessa altura que o trabalho da dupla Mauro-Ricardo Alves (grande exibição deste médio, o que nos leva a questionar: Quais as razões que o "mantêm" a jogar no escalão secundário da Associação de Futebol de Beja?..) começou a dar os seus frutos. Perante o arrojo Ervidelense, o FC Serpa foi no segundo tempo uma equipa demasiadamente apática, sem chama ou capacidade de explosão, notando-se em excesso a ausência em campo de uma "voz de comando", alguém que pensasse o jogo ofensivo com outra sagacidade e destreza.

Nuno Pires foi o único que conseguiu assustar a defensiva Ervidelense (47), mas depois só deu mesmo Alvorada. Barroso (51 e 72) e Mauro (69) dispuseram de excelentes condições para alvejar com sucesso a baliza de Artur, só que os "deuses da sorte" não estavam para aí virados. E a juntar a estas oportunidades perdidas, os de Ervidel bem podem queixar­-se de uma clara mão na bola de Cláudio no interior da grande área serpense não assinalada por João Constantino (71).
Apesar de ter estado ao melhor nível durante quase todo o encontro, a exibição de João Constantino fica seriamente manchada pela grande penalidade não assinalada no interior da área do FC Serpa. Bem na expulsão de Nuno Pires.

Alvorada protesta contra
dois pénaltis por marcar


No final da partida, a opinião dos técnicos de ambas as formações divergia. Para Fernando Monteiro, o FC Serpa venceu de forma "justa", uma vez que foi "a equipa que mais oportunidades criou". "Soubemos marcar e gerir essa vantagem. Naturalmente que gostaríamos de ter garantido a vitória de uma maneira diferente, mas na Taça não há equipas de primeira e de segunda", acrescentou o treinador serpense, enaltecendo a "atitude" e o "empenho" dos jogadores do Alvorada. Agora, o objectivo do FC Serpa é "procurar chegar à final" da prova.
Por seu lado, o treinador do Alvorada garantia que aos seus jogadores só "faltaram mesmo os golos", pois foram sempre superiores em campo durante os 90 minutos de jogo. "Fomos melhores e esta é das tais derrotas que sabem a vitórias, porque realmente fomos superiores a uma equipa do primeiro escalão, o FC Serpa", referiu Zacarias Baião, lamentando ainda o facto de o árbitro João Constantino não ter assinalado "dois pénaltis claríssimos" em favor da sua formação. 

Texto Carlos Pinto»

domingo, 21 de novembro de 2010

Márcio marca ao cair do pano


Aos poucos o Alvorada Futebol Clube de Ervidel vai subindo na tabela classificativa do Campeonato Distrital da 2ª Divisão, alcançando o 3º lugar, isto após o triunfo em Montes Velhos por uma bola a zero, perante o rival Negrilhos.

Num jogo em que o equilíbrio foi a nota dominante, foi mais atrevida a equipa do Alvorada, com o seu meio campo e linha atacante inconformados com o nulo que se fazia sentir e a proporcionarem alguns remates, que não tiveram a direcção desejada, ora por mérito do guarda redes, ora por demérito próprio. Numa dessas oportunidades, aos 40 minutos de jogo Jorge Soares responde bem a um cruzamento do lado direito e desfere um potente remate já dentro da área, o qual só não resultou em golo porque o guardião adversário fez uma excelente defesa.

No recomeço, após o intervalo, o figurino não se alterou com o Alvorada mais subido no terreno e mais incisivo no ataque, colocando algumas dificuldades ao sector defensivo da equipa de Zacarias Baião, embora continuasse a faltar apoio aos homens mais adiantados, os quais foram sempre bem marcados pelos centrais do Negrilhos.

Vendo o que estava a acontecer dentro do terreno de jogo, o técnico José Mestre, fez entrar quase em simultâneo, os jogadores Rui Martins, João Paulo e Flávio Ramalho e pode-se dizer que saiu o bingo ao treinador do Alvorada, pois é deste último o passe para Luís Ferro, que no um para um com um defensor adversário, consegue libertar a bola, isolando Márcio Cortes que só com o guarda redes pela frente e após disputar a bola com este, consegue levar a melhor e introduzir o esférico na baliza deserta, fazendo assim o resultado final, estavam contados 94 minutos de jogo.

Logo de seguida o árbitro Cristiano Bexiga apitava para o final da partida com o Alvorada a conquistar uma vitória muito saborosa.

Ficha do jogo:

Estádio: Campo 25 de Abril, em Montes Velhos
Tempo: Nublado, com temperatura amena.
Terreno de jogo: Terra batida, em boas condições.

Árbitro: Cristiano Bexiga.
Assistentes: Hugo Simão e Hugo Silva.

Alvorada: Vitorino Cavaco, Hugo Revez, Luís Vieira, Diogo Ramos, Rui Filipe, Luís Ferro, Chico Fragoso (C), Márcio Cortes, Jorge Soares, Alex e Mauro Gonçalves.
Jogaram ainda: Flávio Ramalho, Rui Martins e João Paulo.

Suplentes não utilizados: João Páscoa, Miguel Catarino, Bruno Rasgadinho e Alexandre Mourão.

Treinador: José Mestre

Cartões Amarelos: Chico Fragoso.

Cartões Vermelhos: Não houve.

Golos: Márcio Cortes (94").

Confira aqui os resultados e classificação da 4ª Jornada do Campeonato Distrital da 2ª Divisão.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Cristiano Bexiga no "derby"

O árbitro Cristiano Bexiga, foi o nomeado pelo Conselho de Arbitragem da Associação de Futebol de Beja, para apitar o encontro da 4ª Jornada do Campeonato Distrital da 2ª Divisão, entre os rivais Negrilhos de Montes Velhos e o nosso Alvorada de Ervidel.

Nesta partida que se prevê quente, o árbitro será auxiliado pelos assistentes Hugo Simão e Hugo Silva.

Cristiano Bexiga apesar de relativamente novo, tem bastante experiência no mundo da arbitragem, no entanto o «árbitro fashion» de Cuba na última época podia e deveria ter feito muito mais, pois soube a pouco o 9º lugar que alcançou no Grupo A da 1ª Categoria da AF de Beja.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Vitória justa sobre o Vale de Vargo

Era um daqueles jogos fundamentais, depois de duas derrotas nas duas primeiras jornadas. A recepção ao Vale de Vargo colocava pouco espaço de manobra à equipa de José Mestre, que se via "obrigada" a conquistar os 3 pontos perante um adversário directo, o que aconteceu, com a formação do Alvorada de Ervidel a bater o seu opositor por 2-1, em jogo a contar para 3ª Jornada do Campeonato Distrital da 2ª Divisão.

A primeira parte jogou-se numa toada morna, com o Alvorada a assumir as despesas do jogo e a ter pela frente um adversário que defendia com os onze jogadores atrás da linha da bola, o que complicava, e muito, a tarefa ofensiva dos homens da casa, no entanto à passagem do minuto 38 Luís Ferro (na foto) havia de inaugurar o marcador, na sequência de um pontapé de canto, a responder com uma cabeçada à entrada da pequena área, não dando qualquer hipótese de defesa ao guarda-redes contrário, que apenas se limitou a seguir a bola com os olhos.

Quando o público pensava que o Alvorada iria para o intervalo em vantagem no marcador, enganou-se, pois o Vale de Vargo chegou ao empate num dos últimos lances da primeira parte, após pontapé livre executado do lado direito, com o guardião João Páscoa a defender o remate numa primeira instância, com a bola a ressaltar para a frente da baliza, onde surgiu um atacante que sem dificuldade a introduziu na baliza.

No início da segunda parte o técnico José Mestre alterou a equipa, deixou no balneário o guarda-redes João Páscoa e o centrocampista Jorge Soares, que foram substituídos por Vitorino Cavaco e Paulo Chaveiro, respectivamente. Se na posição mais recuada pouco se pode dizer, já na alteração do meio campo o treinador do Alvorada tentou dar mais «magia» ao seu futebol, trocando a força pela técnica.

Quando o marcador assinalava 52 minutos, na sequência de novo pontapé de canto, foi a vez de Mauro Gonçalves fazer balançar as redes da baliza do Vale de Vargo, colocando de novo a equipa de Ervidel na frente do marcador, por duas bolas a uma, resultado que se iria manter até ao último apito do árbitro.
A equipa da margem esquerda nunca foi capaz de ir à procura do golo do empate, estando sempre o Alvorada mais perto de marcar o terceiro, como foi o caso aos 61 e 86 minutos, ambos os lances protagonizados por Luís Vieira, que voltou à equipa depois de três jogos de castigo, ao atirar duas vezes ao poste esquerdo da baliza contrária, primeiro na sequência de um livre e depois de um bom cruzamento, sempre pela direita do seu ataque.
Resultado justo, que premeia a equipa que mais e melhor futebol praticou.

Ficha do jogo:

Estádio: Campo da Baiôa, em Ervidel
Tempo: Nublado, com temperatura amena.
Terreno de jogo: Terra batida, em boas condições.

Árbitro: António Fernandes
Assistentes: José Silva e Miguel Serpa.

Alvorada: João Páscoa (Vitorino Cavaco 45"), Hugo Revez, Luís Vieira, Diogo Ramos, Rui Estebainha, Luís Ferro, Chico Fragoso (C), Márcio Cortes, Jorge Soares [(Paulo Chaveiro 45") (Flávio Ramalho 72")], Alex e Mauro Gonçalves.

Suplentes não utilizados: Rui Martins, Miguel Catarino, João paulo e Alexandre Mourão.

Treinador: José Mestre

Cartões Amarelos: Hugo Revez e Vitorino Cavaco.

Cartões Vermelhos: Não houve.

Golos: Luís Ferro (38") e Mauro Gonçalves (52")

Confira aqui os resultados e classificação da 3ª Jornada do Campeonato Distrital da 2ª Divisão.


sexta-feira, 12 de novembro de 2010

"Toninho" apita Alvorada - Vale de Vargo

António Fernandes vai-se deslocar a Ervidel no próximo Domingo para arbitrar a partida da 3ª Jornada do Campeonato Distrital da 2ª Divisão, entre o Alvorada de Ervidel e o Vale de Vargo, revelou hoje o Conselho de Arbitragem da Associação de Futebol de Beja.

Neste jogo, António Fernandes será auxiliado pelo árbitros assistentes José Silva e Miguel Serpa.

O carteiro de Aljustrel é com Sesifredo e Nilha o último dos moicanos da mina. Outros tempos e eram dezenas de árbitros daquelas paragens, hoje em dia ninguém ... enfim!!  António Fernandes mantém o gosto pela arbitragem, uma boa forma física e continua a ser muito útil.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

O que é feito de si...??

O que é feito de si...??? José Cortes e José Camacho...


segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Sem surpresa, Alvorada perde em Mértola


O Alvorada de Ervidel voltou a conhecer o sabor da derrota, desta vez no campo de um candidato à subida, o Guadiana de Mértola.

Em jogo a contar para a segunda jornada do Campeonato Distrital da 2ª Divisão, foi mais forte a equipa da casa, não dando qualquer hipótese ao Alvorada, que ainda  assim conseguiu chegar ao intervalo com o nulo no marcador.

No segundo tempo, a turma da casa revolveu o encontro com três golos, apontados aos 54, 58 e 69 minutos, sem que o Alvorada conseguisse de algum modo reagir, não conseguindo sequer criar ocasiões de real perigo junto da baliza adversária.

Ficha do jogo:

Estádio: Municipal de Mértola, em Mértola.
Tempo: Nublado com vento e temperatura moderada.
Terreno de jogo: Relvado sintético, em boas condições.

Árbitro: Frederico Narra
Assistentes: Gonçalo Martins e Marisa Sousa.

Alvorada: João Páscoa, Miguel Catarino, Diogo Ramos, Hugo Revez, Rui Martins (Rui Estebainha 54"), Flávio Ramalho, Jorge Soares (Chico Fragoso 45"), Márcio, Luís Ferro (C), Mauro Gonçalves e Alex (João Paulo 70").

Suplentes não utilizados: Bruno Rasgadinho, Paulo Chaveiro, Flávio Patrício e Vitorino Cavaco.

Treinador: José Mestre

Cartões Amarelos: Miguel Catarino, Hugo Revez, Jorge Soares, Alex e Chico Fragoso.

Cartões Vermelhos: Não houve.

Golos: Não houve.

Confira aqui os resultados e classificação da 2ª Jornada do Campeonato Distrital da 2ª Divisão.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Frederico Narra em Mértola

O árbitro Frederico Narra foi o escolhido pelo Conselho de Arbitragem, para dirigir o encontro da 2ª Jornada do Campeonato Distrital da 2ª Divisão, a disputar no próximo domingo, entre o Guadiana de Mértola e o Alvorada de Ervidel.

Nasta partida serão árbitros assistentes Gonçalo Martins e Marisa Sousa.